Passo passos que são só meus no meu espaço branco e cinza.
Tenho ódios e amores, mas não tenho muito tempo – tenho o tempo só meu.

Tenho duas mãos, e o sofrimento é só meu.

Ultrapasso ônibus e conheço espaços, tenho novos tempos.

Homens sem camisa pintam a ponte e nao pinto eu – Ah menina tonta.
Toda suja de tinta me comporto num andar singelo, pedalo sozinha. Atravesso rios.
Fecho os olhos, sinto o cheiro da minha árvore amarela que na janela junta seus insetos – tentativa frustrada de ipê. Sou só eu tao pequena?

Meu tempo é meu e só sou sol… Só sou sol… Uma palavra só é sol. Sou é só – sol.
Brilham as águas, o verão ameaça perdições da Europa velha e triste.
Velha e triste é ela, eu sou cinza.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: